Crianças e Adolescentes com Sofrimento Emocional

Artigo Publicado 20/05/2016 às 17:00

Descrição:

Estudos internacionais têm indicado que a prevalência geral dos transtornos mentais na população de crianças e adolescentes situa-se entre 10% e 20%. A demanda de crianças e adolescentes que necessitam de avaliação e intervenção de profissionais da área da saúde mental é enorme. Mesmo em países desenvolvidos, o número de psiquiatras com formação para atender crianças e adolescentes é pequeno. As crianças e adolescentes com transtornos mentais devem ser atendidos por psiquiatras com formação em psiquiatria da infância e adolescência.

A avaliação psiquiátrica de crianças e adolescentes apresenta características peculiares que a diferenciam claramente da avaliação de adultos. É fundamental o conhecimento profundo do desenvolvimento normal para identificar as possíveis psicopatologias, que são fortemente influenciadas pelo meio. O atendimento é interdisciplinar. O Psiquiatra Infantil trabalha avaliando o ambiente, familiares, cuidadores, entra em contato com outros profissionais, como pediatras, neurologistas, geneticistas, psicólogos, professores, fonoaudiólogos, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, educadores físicos, assistentes sociais, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas, dentistas, outros médicos, a fim de colher um conjunto de informações, que somados a observação direta da criança ou do adolescente possibilita a articulação do raciocínio clínico.

Nem sempre nessa faixa etária o quadro clínico é puro. É importante investigar comorbidades e fatores que, naquele momento, poderiam causar uma alteração de comportamento ou regressão. Vários transtornos mentais são usualmente identificados primeiro na infância e na adolescência, como o transtorno do espectro autístico, o transtorno de ansiedade de separação, os transtornos específicos de aprendizagem, os transtornos do desenvolvimento intelectual, o transtorno do déficit de atenção/hiperatividade e os transtornos de conduta. Mesmo os transtornos mentais, caracteristicamente evidenciados na idade adulta, muitas vezes têm apresentações clínicas diferentes em crianças e adolescentes, como é o caso dos transtornos depressivos, do transtorno obsessivo-compulsivo e do transtorno do humor bipolar. É fundamental destacar que são marcadas as diferenças entre as abordagens terapêuticas psicofarmacológicas e psicoterápicas com crianças e adolescentes e com adultos.

Quando refletimos sobre as noticias atuais verificamos que o suicídio é um problema de saúde pública e tem aumentado os casos na infância e adolescência. A verdade salva vidas sendo um dever da sociedade, incluindo obviamente os profissionais da saúde, abolir a negação. O sentimento de abandono, a experiência de abusos, a desorganização familiar, o desajustamento na escola ou em casa e a desesperança no futuro, são alguns motivadores que podem levar ao suicídio na infância e adolescência.

Outra constatação é que a tecnologia foi definitivamente implementada nos hábitos do dia a dia dos jovens. Possivelmente estamos diante de uma geração que utiliza os meios tecnológicos como recurso principal para lidar, superficialmente, com os problemas de relacionamento. Muitos jovens já apresentam sintomas de vício em eletrônicos, como a queda no rendimento escolar, a insônia e o nervosismo sem causa aparente. Uma vez que fica claro que existe um uso intenso e que está acarretando prejuízo significativo para o indivíduo, e, quando as tentativas de combinações e limites não são eficientes, é importante que se busque orientação especializada. Na China, tornou-se problema de saúde pública, com a abertura de 150 centros de tratamento para dependentes de games...Artigo na integra no link abaixo.

Escrito pelo Doutor Ricardo Fasolo.

 


Arquivo para Visualização